quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

PLANEJAMENTO DE CURSO PORTUGUÊS PARA SURDOS

DISCIPLINA: Português para surdos (L2)



TURMA: todas


PROFESSORA: Liliane Duques






OBJETIVOS GERAIS:


• Valer-se da língua para melhorar a qualidade de suas relações pessoais, sendo capazes de expressar seus sentimentos, experiências, ideias e opiniões, bem como de interpretar e considerar as ideias e significados, utilizando a LIBRAS para a compreensão ou como recurso;

• Utilizar a língua como instrumento de aprendizagem e valorizar a leitura como via de acesso ao mundo que é criado;

• Conhecer e utilizar as diferentes variedades linguisticas (gramática e ortografia) do português escrito e falado.



OBJETIVOS ESPECIFICOS


• Desenvolver a habilidade de produção de texto;

• Ampliar os conhecimentos do aluno com relação ao uso dos sinais de pontuação, aumentativo e diminutivo, artigos, pronomes, adjetivos, verbos, sujeito e predicados;

• Compreensão de texto e aplicação do vocabulário adequado na redação;

• Traduzir e interpretar o vocabulário do texto, aplicando-o em frases com o uso da LIBRAS;

• Valorizar a experiência dos alunos e estimular a sua criatividade e a capacidade de observação;

• Redigir uma história a partir de gravuras ou filme assistido acompanhado pela professora;

• Desenvolver a habilidade de distinguir os tempos presente, passado e futuro;

• Operar com a noção de sujeito e predicado.



CONTEÚDOS


• Gramática: frases, pontuação, acentuação, artigos, pronomes, adjetivos, verbos, sujeito e predicado;

• Elaboração de diferentes textos;

• Vocabulário – significação das palavras dentro de um texto;

• Interpretação através de leituras de textos, gravuras e filmes.


METODOLOGIA


Será feita uma integração das abordagens e explicações relacionadas à disciplina de português, com as demais, utilizando os textos e imagens das outras disciplinas para trabalhar a gramática da língua portuguesa, facilitando a compreensão dos textos das demais disciplinas. O aluno aprenderá a forma aceita de escrever no momento que aparecerem os erros e as duvidas, durante qualquer produção escrita, coletiva ou individual, auxiliando no uso da gramática ou ortografia.

O professor dará ênfase a dramatizações para a significação do vocabulário, explorando a expressão corporal que surgirá a partir das características dos textos. Além das dramatizações, o professor irá propor a turma jogos, cruzadinhas silábicas, enigmas e mensagens secretas, entre outros que surgirem.


RECURSOS DIDÁTICOS


• Xerox de vários textos, podendo integrar com outras disciplinas;


• Jornais, livros, revistas, etc.;


• Datashow;


• Vídeos, TV, DVD.






AVALIAÇÃO


• Interesse e participação;


• Trabalhos (aspectos estéticos e conteúdo);


• Aspecto gramatical e ortográfico na produção dos textos e frases escritas pelos alunos.




LEITURA



Os alunos surdos devem ser expostos a leitura diariamente. Inicialmente e sempre que necessário, o conteúdo dos textos escritos deve ser interpretado pelo professor, na Língua Brasileira de Sinais, o que vai permitir ao aluno ampliar o conhecimento prévio, elemento fundamental para a compreensão e para a produção da escrita na Língua Portuguesa. Se o aluno sentir necessidade, o professor deverá interpretar o conteúdo da escrita na Língua Brasileira de Sinais.

Deve-se oferecer muitos textos, de diferentes gêneros textuais, o que vai propiciar aos alunos tanto a ampliação de suas possibilidades de compreensão

e uso da Língua Portuguesa, quanto o domínio da gramática, e deve-se incentivar os alunos a ler e a escrever.

Ao introduzir um texto, deve-se explorar o conhecimento prévio dos alunos sobre o tema, conversando na Língua Brasileira de Sinais, interpretando o conteúdo do texto ou mesmo introduzindo um novo gênero.

Obs.: Todas as atividades que os professores comumente desenvolvem oralmente com os alunos ouvintes devem se dar na Língua Brasileira de Sinais para os alunos surdos.


Atividades de leitura






Leitura compartilhada



O professor lê um texto com a classe e, durante a leitura, questiona, na Língua Brasileira de Sinais, os estudantes sobre as pistas lingüísticas que dão sustentação aos sentidos atribuídos. A estratégia favorece a formação de leitores, sendo indicada principalmente para o tratamento de textos que se distanciam do nível de autonomia dos alunos.





Leitura com interpretação na Língua Brasileira de Sinais pelo professor






São atividades de leitura realizadas pelo professor, como a leitura de livros em capítulos, que possibilitam o acesso a textos longos (e às vezes difíceis) que, por sua qualidade e beleza, podem vir a encantar o estudante, mas que, talvez, sozinho não o fizesse. Ler para crianças surdas, interpretando o conteúdo na Língua Brasileira de Sinais, é uma prática importante para despertar nelas a curiosidade e imaginação, como também para estimulá-las a refletir sobre temas complexos da experiência humana. Essa prática, se regular, faz com que os estudantes construam um repertório de textos.





Leitura autônoma






Envolve a prática de leitura em que o estudante surdo lê, silenciosamente, textos sem a mediação do professor. Tais situações são importantes, pois a criança aumenta a confiança que tem em si enquanto leitor, encorajando-se para aceitar desafios mais complexos.

Atividades de produção de textos






Produção de texto na Língua Brasileira de Sinais com escrita, pelo professor, na Língua Portuguesa.






É atividade em que os estudantes, especialmente os que ainda não são alfabetizados, compõem o texto em Língua Brasileira de Sinais e o professor o escreve na Língua Portuguesa.

Durante essa atividade, os estudantes experimentam a tarefa de textualização, sem a preocupação com a escrita na Língua Portuguesa, mas testando suas hipóteses sobre as condições de textualidade da estrutura composicional do gênero a que pertence o texto.



Escrita de textos de memória






Envolve a escrita de textos que os estudantes sabem de cor. Sem a preocupação com o conteúdo a ser escrito, os estudantes podem ficar atentos a como se escreve, tanto em relação ao sistema de escrita alfabética como em relação aos padrões da escrita. Gêneros como parlendas e cantigas, prestam-se a esse tipo de atividade.





Produção de texto de acordo com sua hipótese de escrita






É atividade em que o estudante surdo experimenta a produção de textos mesmo sem o domínio da escrita alfabética.

Durante essa produção, ele testa suas hipóteses sobre a escrita e, se a atividade é realizada em dupla, a troca com o colega pode propiciar o avanço nas hipóteses que ambos sustentam.



Reescrita de texto a partir de modelos






Tomar um texto como modelo e reescrevê-lo é atividade que coloca o estudante surdo, no papel do autor para produzir uma nova versão do texto-fonte. Essa atividade possibilita compreender o funcionamento do gênero em questão e a observação dos padrões da escrita.





Produção de novo texto a partir de modelos






É atividade em que o estudante surdo, produz um novo texto apropriando-se de traços da estrutura composicional do texto selecionado, que serve de modelo para desenvolver conteúdo temático de sua escolha. É o caso das paródias, por exemplo.





Produção de texto a partir de necessidades e escolhas pessoais






É a atividade de produção autônoma em que o estudante surdo mobiliza seus conhecimentos prévios para compor texto de sua autoria.

Elaboração de Atividades






Atividades permanentes






As atividades permanentes são desenvolvidas sistematicamente, diariamente, uma, duas ou três vezes por semana, por exemplo, e podem ser exploradas pelo professor para:

• expandir o repertório de gêneros textuais dos estudantes surdos;

• familiarizar os estudantes com um gênero que será introduzido no programa;

• manter em uso um gênero já estudado;

• desenvolvimento de atividades com objetivos específicos: ler textos, explicando seu conteúdo na Língua Brasileira de Sinais, desenvolvendo atividades de compreensão de textos, ou produzir textos com regularidade, fazer visitas às salas de leitura ou de informática etc.



Seqüências de atividades ou Projetos






Seleciona-se vários textos pertinentes ao gênero em foco (os estudantes precisam perceber as marcas do gênero em vários de seus exemplares).





Situações de sistematização






Seleciona-se conteúdos que estão sendo trabalhados nas outras modalidades organizativas, permitindo aprofundar ou fixar conhecimentos lingüísticos dos estudantes. Dessa maneira, as expectativas de aprendizagem relativas à análise e reflexão sobre a língua e a linguagem, ao sistema de escrita alfabética e aos padrões da escrita articulam-se as demais expectativas de leitura e produção escrita.






























































Nenhum comentário:

Aprenda no SILÊNCIO!!!

Espero que minhas contribuições te enriqueçam de alguma forma.